Papel do Pai na Família na Sociedade Contemporânea

Na sociedade ocidental industrializada, a entrada da mulher no mundo do trabalho e os movimentos sociais da década de 60, com a consequente emancipação da mulher, vieram alterar a composição e o funcionamento das famílias bem como o papel do pai. O modelo patriarcal que dominava (e domina…), que se manifestava no controlo e na autoridade do pai no interior da família, reservava para a mãe a gestão e o trabalho doméstico bem como o tratamento e a educação das crianças.

As mudanças sociais vão ter como consequência a familiar, aparecendo o que muitos designam por “novos pais“. Para além de começarem a partilhar as tarefas domésticas, os homens assumem um outro papel na relação com os filhos; dão o biberão, mudam as fraldas, dão-lhes banho, passeiam e brincam com eles. Mais tarde, tornam-se confidentes dos filhos. A publicidade, o cinema e os meios de comunicação social em geral têm reforçado a imagem do pai que, tal como a mãe, cuida dos seus filhos. Apesar destas mudanças, os vários estudos apontam para o facto de, mesmo quando as mulheres trabalham fora de casa, prestarem mais cuidados aos filhos do que os pais.

A psicologia desenvolveu, durante muito tempo, apenas investigações sobre relações da mãe com o bebé esquecendo a função parental dos homens. O papel cada vez mais interventivo dos homens na relação com os filhos trouxe para a psicologia novas áreas de interesse e de estudo. Constatou-se que a forma como o pai pega no bebé, o tom de voz, o modo como brinca e interage, distinguem-se dos da mãe, contribuindo também para o desenvolvimento psicológico da criança.

Os diferentes estilos relacionais constituem elementos muito importantes na construção de modelos de relação com os elementos masculinos e femininos. O modelo de identificação masculino é tão importante para o rapaz como para a rapariga, dado que organiza expetativas sobre as relações futuras que se estabelecerão com os homens e as mulheres.

Os pais, ao passarem a ter um papal mais ativo no acompanhamento dos filhos, podem exercer uma maior influência no seu desenvolvimento cognitivo, social e emocional. Para além disso, as relações que se estabelecem com os filhos contribuem para o próprio desenvolvimento pessoal do homem-pai.