Fotossíntese

Os seres autotróficos sintetizam matéria orgânica, recorrendo, para isso, a diferentes fontes de energia. A maioria produz matéria orgânica a partir de matéria inorgânica, por um processo utiliza como fonte de energia a luz do Sol — fotossíntese. Os organismos que realizam este processo designam-se por seres autotróficos fotossintéticos ou fotoautotróficos, de que são exemplo as algas, as plantas e as cianobactérias. Contudo, existem alguns seres autotróficos que, em vez da energia luminosa, utilizam a energia química proveniente da oxidação de compostos inorgânicos para a síntese de matéria orgânica a partir de matéria inorgânica. Estes seres designam-se por seres autotróficos quimiossintéticos ou quimioautotróficos e o processo que realizam é denominado quimiossíntese. Todos os seres quimioautotróficos são bactérias, como, por exemplo, as bactérias nitrificantes, que vivem no solo e integram o ciclo de reciclagem do azoto na, biosfera, e as bactérias sulfurosas e ferrosas, que vivem nos fundos oceânicos, junto de fontes termais.

A fotossíntese é um processo complexo que envolve a utilização da energia luminosa na produção de substâncias orgânicas a partir de dióxido de carbono e água, com a libertação de oxigénio. Este processo ocorre exclusivamente nos seres vivos que possuem pigmentos fotossintéticos capazes de captar energia luminosa. A fotossíntese reveste-se de uma grande importância para a generalidade dos seres vivos, porque:

  • produz substâncias orgânicas a partir de substâncias inorgânicas;
  • transforma a energia luminosa em energia química, que fica armazenada nos compostos orgânicos sintetizados;
  • produz o oxigénio, gás essencial para a sobrevivência da maioria dos seres vivos.

Os principais pigmentos fotossintéticos presentes nas plantas e nas algas são as clorofilas. Nestes organismos, esses pigmentos encontram-se nos cloroplastos, organelos celulares onde ocorre o processo fotossintético. Nas bactérias fotossintéticas, os pigmentos encontram-se ligados a lamelas resultantes da membrana citoplasmática.

A energia solar é constituída por radiações de diferentes comprimentos de onda. Os seres vivos fotossintéticos utilizam na fotossíntese apenas parte das radiações do espectro da luz visível. Através da análise do espectro de absorção dos diferentes pigmentos, constata-se que as clorofilas a e b possuem picos de absorção que se situam nas zonas azul-violeta e vermelho-alaranjado do espectro de luz visível. Por essa razão, plantas sujeitas experimentalmente a luz com diferente comprimento de onda apresentam diferentes taxas fotossintéticas.