Estrutura e Constituintes do Neurónio

Cérebro

O corpo e constituído por um conjunto de órgãos, organizados em sistemas, com determinadas finalidades que se relacionam entre si e com o meio; sistema respiratório, circulatório, nervoso, endócrino, etc.

De entre estes sistemas, o sistema nervoso é o coordenador das funções do nosso corpo: recebe as informações do meio (externo e interno), processa-as, coordena-as e elabora respostas que se exprimem em comportamentos, pensamentos, estados mentais. E através do sistema nervoso que o organismo estabelece comunicação com o meio exterior, recebendo informação, interpretando-a e reagindo a alteração do meio. No sistema nervoso, o cérebro detém um papel central. ‘

Vamos começar por analisar os elementos estruturais e funcionais básicos do sistema nevoso.

Neurónio

Como todos os outros tecidos, o sistema nervoso e constituído por células. No case particular do sistema nervoso podemos encontrar dois tipos principais de células: os neurónios e as células gliais.

Os neurónios ou células nervosas são responsáveis por grande parte das funções do sistema nervoso.

As células gliais facultam os nutrientes, como o oxigénio e a glicose, que alimentam, isolam e protegem os neurónios; se lesionadas, podem reproduzir-se. É este tipo de células que controla o desenvolvimento dos neurónios ao longo da vida. Hoje em dia atribui-se uma importância maior às células glias, ou célula da glia, porque se constatou que influenciam de forma decisiva a comunicação cerebral, o funcionamento das sinapses e outras funções que afetam o funcionamento do sistema nervoso. Descobriu-se que têm um papel fundamental no desenvolvimento do cérebro no período fetal, bem como na maturação dos neurónios. São as células glias que determinam também quais os neurónios que estão aptos a funcionar corretamente e asseguram a manutenção do ambiente químico que rodeia os neurónios.

Uma característica muito particular dos neurónios é não mantém contactos físicos entre si. A transmissão da informação entre as células nervosas procede-se de um modo muito específico, como veremos mais adiante.

Constituição do neurónio

Nos neurónios podemos distinguir três partes distintas:

  • O corpo celular
  • As dendrites
  • O axónio

Analisemos brevemente cada uma das componentes do neurónio.

Corpo celular

O corpo celular, ou soma, contém o núcleo e é o armazém de energia da célula. O corpo celular fabrica proteínas sob o controlo do ADN presente no núcleo celular. Do corpo celular saem dois tipos de prolongamento: as dendrites e o axónio.

Dendrites

O termo dendrite rem origem na palavra grega dendron, que significa “árvore”: são extensões do corpo celular, assemelhando-se a ramos de uma árvore. Medem no máximo, alguns décimos de milímetro. Graças as dendrites, o neurónio apresenta uma maior superfície de recepção e emissão de mensagens. Estas ramificações múltiplas recebem e transmitem informação de c para outras células com as quais o neurónio estabelece contactos.

Axónio `

O axónio, ou cilindro-eixo, é o prolongamento mais extenso do neurónio e transmite as mensagens de um neurónio a outro (ao corpo celular ou às dendrites) ou entre um neurónio e uma célula efectora muscular ou glândular. O axónio parte do corpo celular e termina num conjunto de ramificações semelhantes a uma raiz as telodendrites ou terminais axónicas.

O axónio pode ramificar-se ao longo da sua extensão para entrar em contacto com outros neurónios; contudo, a maior parte dos contactos é feita através da sua arborização terminal. Embora raros, há neurónios com mais do que um axónio, o que lhes permite exercer influência sobre um grande número de outras células.

Há axónios que estão envolvidos por camadas de mielina, que e uma substância branca de matéria gorda; outros são só constituídos por substância cinzenta. Assim se explica a cor cinzenta da camada exterior do cérebro (constituída por neurónios cujos axónios não estão envolvidos por mielina) e a cor branca do seu interior (os axónios mielinizados). O axónio, e certas dendrites de um neurónio, constituem uma fibra nervosa. As fibras nervosas podem agrupar-se em feixes. Ao conjunto de fibras nervosas envolvidas por uma membrana dá-se o nome de nervos.

O tamanho dos axónios é muito variável, no ser humano podem medir 1 mícron ou mais de um metro. Por exemplo, para movermos os tornozelos, os axónios motores transmitem as mensagens da espinal medula até aos músculos dos pés. Neste caso, podem ter mais de 1 metro. O mesmo se passa com os axónios dos neurónios sensoriais que enviam as mensagens dos pés à espinal medula. No caso da baleia-azul gigante, o axónio das células que ligam o seu cérebro a zona dorsal pode medir 12 metros!

A transmissão da informação no interior do axónio faz-se a velocidades muito variáveis podendo atingir a velocidade do som. Os que tem maior diâmetro são os que permitem velocidades mais elevadas. Nos neurónios mielinizados a bainha de mielina permite, por um lado, aumentar a velocidade da condução das mensagens e, por outro, isolar as libras umas das outras. Esta função é muito importante, por exemplo, o nervo óptico pode ter Cerca de 1 milhão de fibras nervosas.

As três estruturas do neurónio estão interligadas, como se compreendera melhor quando analisarmos o processo de comunicação nervosa que se faz através dos neurónios organizados em rede.

A interatividade e o princípio essencial subjacente à forma e a anatomia celular dos neurónios.