Ciclo das Rochas ou Litológico

As rochas podem sofrer alterações que as transformam em materiais rocho­sos de natureza diferente. Ao conjunto de processos associados a essas transformações, que integra fenómenos contínuos de formação, destruição e reciclagem das rochas, dá-se o nome de ciclo das rochas ou ciclo litológico.

As rochas magmáticas ou ígneas podem formar-se tanto à superfície, na sequência de uma erupção vulcânica, como em profundidade. Se as rochas magmáticas forem expostas à superfície, a influência dos agentes de geodinâmica externa provocará a sua lenta alteração. Os sedimentos assim originados são transportados pelos agentes que também participaram no processo de altera­ção (água de escorrência superficial, glaciares, vento, ondas), acabando, eventualmente, por ser depositados em bacias oceânicas, estuários de rios, bacias desérticas, pântanos ou dunas. Posteriormente, os sedimentos poderão ser comprimidos pelo peso de camadas superiores, originando rochas compactadas e estratificadas. Se as rochas sedimentares sofrerem afundamento ou forem envolvidas em processos dinâmicos igualmente geradores de altas pressões e/ou expostas a aqueci­mento intenso sem fusão dos seus constituintes, poderão transformar-se em rochas metamórficas.

A acção continuada destes factores de metamorfismo (pressão e calor) pode eventualmente originar magma, material rochoso fundido, associado já a um ambiente magmático.

Para além destas transformações mais habituais, outras podem ocorrer, permitindo, por exem­plo, a formação de rochas metamórficas a partir de rochas magmáticas. É o que acontece quando granitos profundos são submetidos a grandes pressões e a altas temperaturas, originando gneisses.

Ciclo das Rochas ou litologico