O Que é e Quais os Constituintes de uma Célula

A noção de célula evoluiu ao ritmo dos avanços tecnológicos no domínio da microscopia. Os conhecimentos resultantes da observação microscópica permitiram, no século XIX, a for­mulação da teoria celular. De acordo com o enunciado original desta teoria, a célula é a uni­dade estrutural básica de todos os seres vivos.

Hoje em dia, a teoria celular é uma das grandes teorias unificadoras da Biologia e assenta nas seguintes generalizações:

  • a célula é a unidade básica estrutural e funcional de todos os seres vivos;
  • todas as células provêm de outras preexistentes;
  • a célula é a unidade de reprodução, de desenvolvimento e de hereditariedade de todos os seres vivos.

Atendendo à complexidade da organização estrutural, as células podem agrupar-se em duas grandes categorias: células procarióticas e células eucarióticas.

As células procarióticas, de que são exemplo as bactérias, são células de estrutura muito simples, de reduzidas dimensões e sem sistemas endomembranares, nomeadamente sem invó­lucro nuclear.

As células eucarióticas são células estruturalmente mais complexas, de núcleo bem indivi­dualizado do citoplasma, delimitado por um invólucro nuclear. Nestas podem distinguir-se as células animais e as células vegetais, que apresentam algumas diferenças a nível estrutural.

Contudo, em ambos os tipos observam-se três constituintes fundamentais: a membrana celular, o citoplasma e o núcleo. A membrana celular, membrana citoplasmática, ou membrana plasmática delimita exteriormente a célula, servindo de barreira entre o meio intra­celular (meio interno) e o meio extracelular (meio externo).

O citoplasma, ou hialoplasma, corresponde ao meio aquoso delimitado pela membranas celular. Para além da água, é constituído por vários iões e moléculas orgânicas, apresentando uma natureza coloidal e hialina.

Para além destes componentes básicos, existe na célula eucariótica uma grande variedade de estruturas membranares e não membranares associadas a diversas funções, necessárias para a manutenção do equilíbrio do sistema célula.

Constituintes de uma célula

Os diferentes tipos de células que constituem os seres vivos possuem basicamente os mesmos elementos moleculares. A unidade biológica revela-se, portanto, também a nível molecular.

Nos seres vivos, para além de moléculas simples de natureza inorgânica, encontramos molé­culas de grandes dimensões e complexidade, as macromoléculas, constituídas por um redu­zido número de elementos químicos, dos quais se destacam o carbono, o oxigénio, o hidrogé­nio, o azoto e, em menor quantidade, fósforo, cálcio, entre outros.

A maioria das macromoléculas existentes nos seres vivos são polímeros, uma vez que resul­tam da ligação de várias moléculas simples, iguais ou semelhantes entre si, os monómeros, por um processo designado por polimerização.

Os constituintes químicos de um ser vivo podem ser agrupados em:

  • compostos inorgânicos ou minerais — água e sais minerais;
  • compostos orgânicos — hidratos de carbono ou glícidos, lípidos, prótidos, ácidos nuclei­cos e outras biomoléculas.

Estes constituintes desempenham várias funções; entre elas destacam-se:

  • função estrutural ou plástica — se entram na constituição dos componentes do organismo, tais como membranas celulares, ossos, conchas, sangue, etc.;
  • função energética — se são degradados nos processos de obtenção de energia na forma de ATP e calor;
  • função enzimática e reguladora — se intervêm como agentes catalisadores das reacções químicas, quer no metabolismo celular quer em processos extracelulares, como a digestão, ou se controlam o funcionamento coordenado de órgãos e sistemas;
  • função de armazenamento e transferência de informação — se garantem a expressão da informação genética e a sua transmissão aos descendentes de todos os seres vivos.

Constituintes de uma célula humana